Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

25
Jul06

Relato do percurso Arouca - Srª Mó - Gamarão - S. Adrião - Barragem Seixo - Arouca (2006/07/04)

daraopedal
Nada como um bom passeio bem durinho, para acabar a tarde a pensar: “Porra que estou todo partido! Mas sinto-me um espectáculo!”. Que levantem a mão os betetistas que nunca se sentiram assim!
Parti então um pouco sem destino mas com a firme intenção de fazer a habitual etapa da Senhora da Graça cá da zona, ou seja, a subida à Sr.ª da Mó.

Um pequeno aparte - para quem não conhece, Arouca é uma pequena vila, sede de concelho, que faz parte do distrito de Aveiro e que se situa a cerca de 40 e poucos quilómetros do Porto e cerca de 60 de Aveiro. Acho que é um sítio ideal para a prática do BTT, pois contempla zonas de muita beleza, com serras (Serra da Freita! Os betetistas do norte certamente conhecem!) e rios espectaculares!
Então a ideia era subir pela enésima vez a serra que domina a vila de Arouca.

No seu cume, pode-se encontrar uma capela com uma arquitectura muito particular e uma cruz que domina as noites escuras das serras das redondezas, brilhando e indicando que Arouca fica no sopé desse monte.

A subida à Sra. da Mó é sempre algo que gosto de fazer. Apesar de não ser nada de especial enquanto percurso (pois é essencialmente estrada) a verdade é que a vista sobre o vale de Arouca deslumbra sempre

(qualquer motivo é bom para tirar fotos, mas este é melhor ainda!), além disso é um óptimo barómetro para conferir o minha forma :-) Se custar muito a subir é porque estou a precisar de uns treinos, se não custar nada é porque estou a treinar demasiado e, afinal,  a vida não é só isto!
Desta vez reconheço que custou um bocado mas a razão foi outra. Subir, parando de 5 em 5 minutos para tirar fotos é mau sistema! Tudo bem que há-que documentar o blog, mas sem exageros! Mas pronto! Desta vez dediquei-me à foto :-D

A subida à Sra. da Mó equivale mais ou menos a 7 ou 8 kms (dependendo da estrada pela qual se opta ao sair do centro da vila). E em dias de sol custa q.b.!
Uma vez no cima toca a tirar mais umas fotos e toca a andar que se faz tarde!
O percurso continua naquela que é a vertente oposta à que está virada para a vila de Arouca junto a uma construção que é o local do tiro ao prato em Arouca.

Lá existe um pequeno trilho que desce até apanhar um caminho de acesso aos montes que até bem pouco tempo estava cobertos por uma mancha verde de pinheiros.
Esse tal caminho segue na direcção nordeste até chegar a uma curva acentuada e um cruzamento com um caminho em sentido Oeste – Leste. Deve-se seguir para Oeste ou seja virar à esquerda e logo a seguir surgem duas alternativas: seguir em frente a subir ou virar à direita num caminho plano que surge com uma marca amarela e vermelha (dos percursos pedestres). O critério é a escolha e a força do freguês :-) Tanto dá ir por um, como pelo outro. Ambos vão dar ao mesmo local, um caminho que é atravessado pela linhas de alta tensão (a coluna fica mesmo na beira da caminho, junto a uma pequena subida).

Logo a seguir, encontra-se uma antena de telecomunicações à margem do caminho, que se divide em dois trilhos paralelos.

 
Um pequeno aparte: isto parece complicado, mas não é assim muito! Mas para simplificar a coisa para quem quiser fazer isto sem conhecer a zona, deixo aqui um vista aérea do Google Earth para ilustrar. Espero que ajude :-)
 

No fim, uma pequena subida e uma grande descida muito técnica (muita pedra, muito porreiro!!!). Bastou seguir depois o trilho principal até chegar à estrada 326-1 em direcção a Alvarenga (ou seja virar à direita).

Mais à frente (pouco mais) encontra-se o cruzamento com indicações para Castelo de Paiva via S. Adrião.

Aí a subida é prós duros! O truque é começar devagarinho :-) até chegar ao cimo e avistar um campo enorme do lado direito que se destaca bem no meio do eucalipto (visão habitual na zona ).

Não há enganar e é só seguir por estrada sempre a descer e sempre a seguir as indicações na estrada que apontem para Castelo de Paiva até chegar a uma placa colocada do lado esquerdo (que curiosamente não se vê bem, porque está virada ao contrário)

 
que informa que estamos a chegar ao alto de S. Adrião.

A subida em terra até à capela é fácil e chegados ao cimo descobre-se uma vista espectacular, que em dias de céu limpo, permite ver facilmente o grande Porto.

Agora chega a melhor parte! Frente à capela existe um caminho de terra que passa mesmo junto a um cruzeiro.

Segui por esse trilho e foi sempre seguir esse caminho a descer. Passa-se junto de umas colunas de alta tensão

e continua-se seguindo sempre o caminho principal.

Apanha-se muita pedra por este caminho, pelo que só é aconselhável a quem tiver já alguma técnica. Ainda por cima existe uma parte da descida em que a inclinação é tanta que é quase necessário colar o estômago em cima do selim para não avançar por cima do guiador da bicicleta.

É nesta parte que se agarra o guiador com toda a força possível! Se cair é só pedra da grossa .
No fim da descida,

a recompensa é um lago artificial muito calmo onde a água está serena e os peixes abundam.

O sítio certo para parar e comer umas barrinhas para o resto do percurso que é novamente só estrada.

É possível circundar o lago pelas suas margens de bicicleta e até mesmo atravessar o riacho que o abastece a montante. Para sair daí é só seguir o estradão principal que se dirige para a estrada 224 onde se encontra placa que informa “Barragem do Seixo”.

Para regressar a Arouca é virar à esquerda (ou seja subir) e percorrer a sempre a mesma estada, passando e ignorando os cruzamentos que indicam sucessivamente S. Domingo, S. Mamede e Tropeço (nesse cruzamento surgem umas alminhas bastante originais). Depois é sempre a descer por estrada até chegar ao cruzamento de Stº António

e virar à esquerda até chegar novamente a Arouca.
Este percurso é fisicamente difícil (eu diria nível 4 ou 5 dependendo da preparação) e tecnicamente a parte de estrada como seria de esperar é muito fácil mas as descidas técnicas, em especial as do S. Adrião são muito difíceis (nível 5). De qualquer forma, para quem quiser experimentar, o empeno e o gozo estão garantidos!
Boas pedaladas
Dar.ao.pedal