Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

31
Jul06

Arouca – Areinho – Arouca (23/07/06)

daraopedal
Com o calor que estava, passar o dia no rio era uma óptima ideia.
Com o calor que estava, passar o dia no rio indo até lá de bicicleta, já parece, para muita gente, uma ideia menos boa.
Mas foi mesmo assim.

A ideia era sair cedinho para evitar o calor. Mas quem é que consegue acordar cedo um domingo de manhã?
Por isso eram 11 horas e o pessoal lá começou a pedalar, partindo da câmara municipal. O percurso era simples, afinal era só ir pela estrada 326-1, em direcção a Alvarenga.
A dificuldade era mesmo o facto de metade do percurso ser a subir e outra metade ser a descer. A altitude do ponto de partida era de 304m e o ponto mais alto atingia cerca de 640m e o final ficava a 168m acima do nível do mar.
A subida inicial fez-se bem e a descida ainda melhor, já que cheguei à velocidade máxima de 68.5 km/h. Não dava mais! Os pneus não deixam :-D
A chegada à praia foi pouco depois do meio dia.

A praia do Areinho é uma das praias fluviais de Arouca e é a primeira a ter (pela 1ª vez) bandeira azul!

É um óptimo local para passar algum tempo e beber umas caipirinhas no barzinho com um grupo de amigos à noite.
Entre banhos de água e de sol, o dia passou muito bem. Deixámos para o final da tarde o regresso para evitar o calor e o sol na “hora do cancro”.
O regresso começa logo muito bem! A subida da estrada secundária que liga a praia à N326-1 é uma daquelas subidas que deixa o coração a bater no “Red line”. Logo aí, foi preciso parar para recuperar o fôlego.

Parece que não há ar que chegue nessas alturas! Pelo menos dá para apreciar a vista da ponte de Alvarenga sobre o rio Paiva.
Depois não há história, é encontrar o ritmo certo e pedalar, pedalar, pedalar… até chegar ao fim da subida, muitos quilómetros lá à frente e lá em cima. Ao longo dessa subida, o grupo dividiu-se fruto dos andamentos muito diferentes. A descida até Arouca é mais uma daquela que se faz em 10 minutos depois de uma hora a subir… So much hard work, for so little fun!
De qualquer maneira, por estes lados este é o lema: “Subir muito tempo, para descer em pouquíssimo” :-D
Mesmo assim, eu adoro!
Boas pedaladas
Daraopedal
28
Jul06

Uma sugestão diferente – a BUGA

daraopedal

Para quem vive na região centro ou simplesmente para quem for dar uma volta pelos lados de Aveiro, existe uma maneira simples e divertida de conhecer a cidade. A BUGA (Bicicleta de Utilização Gratuita de Aveiro) é uma bicicleta gratuita e disponível para quem quiser dela usufruir.

  

Foi criada em 2000 e permite percorrer as várias ciclovias que existem pela cidade. A verdade é que as BUGAs já não são o que eram, e algumas encontram-se um pouco danificadas. Mesmo assim, permitem percorrer locais tão emblemáticos como a Avenida Lourenço Peixinho, o Mercado do Peixe, o Jardim do Rossio, o Campus da Universidade.

 

Em princípio, desde que não tenham de efectuar nenhuma travagem de emergência (as BUGAs só têm travão de trás e a minha travava mal como o raio), deve correr tudo bem!
 
Eu gostei muito da sensação de mobilidade que proporciona e acho que depois de andar com aquilo, vou colocar também um daqueles cestinhos no guiador na minha BTT LOL :-D
 

Só mais uma coisa: para quem estiver interessado a rota da Luz oferece um pequeno panfleto com 3 percurso à escolha para descobrir Aveiro.
Folheto disponível online aqui http://www.rotadaluz.pt/resources/7867887daa1edec5a50b62a5098ee85e/BUGA-folhetoweb.pdf
 
Boas pedaladas e bom passeio
Daraopedal
25
Jul06

Relato do percurso Arouca - Srª Mó - Gamarão - S. Adrião - Barragem Seixo - Arouca (2006/07/04)

daraopedal
Nada como um bom passeio bem durinho, para acabar a tarde a pensar: “Porra que estou todo partido! Mas sinto-me um espectáculo!”. Que levantem a mão os betetistas que nunca se sentiram assim!
Parti então um pouco sem destino mas com a firme intenção de fazer a habitual etapa da Senhora da Graça cá da zona, ou seja, a subida à Sr.ª da Mó.

Um pequeno aparte - para quem não conhece, Arouca é uma pequena vila, sede de concelho, que faz parte do distrito de Aveiro e que se situa a cerca de 40 e poucos quilómetros do Porto e cerca de 60 de Aveiro. Acho que é um sítio ideal para a prática do BTT, pois contempla zonas de muita beleza, com serras (Serra da Freita! Os betetistas do norte certamente conhecem!) e rios espectaculares!
Então a ideia era subir pela enésima vez a serra que domina a vila de Arouca.

No seu cume, pode-se encontrar uma capela com uma arquitectura muito particular e uma cruz que domina as noites escuras das serras das redondezas, brilhando e indicando que Arouca fica no sopé desse monte.

A subida à Sra. da Mó é sempre algo que gosto de fazer. Apesar de não ser nada de especial enquanto percurso (pois é essencialmente estrada) a verdade é que a vista sobre o vale de Arouca deslumbra sempre

(qualquer motivo é bom para tirar fotos, mas este é melhor ainda!), além disso é um óptimo barómetro para conferir o minha forma :-) Se custar muito a subir é porque estou a precisar de uns treinos, se não custar nada é porque estou a treinar demasiado e, afinal,  a vida não é só isto!
Desta vez reconheço que custou um bocado mas a razão foi outra. Subir, parando de 5 em 5 minutos para tirar fotos é mau sistema! Tudo bem que há-que documentar o blog, mas sem exageros! Mas pronto! Desta vez dediquei-me à foto :-D

A subida à Sra. da Mó equivale mais ou menos a 7 ou 8 kms (dependendo da estrada pela qual se opta ao sair do centro da vila). E em dias de sol custa q.b.!
Uma vez no cima toca a tirar mais umas fotos e toca a andar que se faz tarde!
O percurso continua naquela que é a vertente oposta à que está virada para a vila de Arouca junto a uma construção que é o local do tiro ao prato em Arouca.

Lá existe um pequeno trilho que desce até apanhar um caminho de acesso aos montes que até bem pouco tempo estava cobertos por uma mancha verde de pinheiros.
Esse tal caminho segue na direcção nordeste até chegar a uma curva acentuada e um cruzamento com um caminho em sentido Oeste – Leste. Deve-se seguir para Oeste ou seja virar à esquerda e logo a seguir surgem duas alternativas: seguir em frente a subir ou virar à direita num caminho plano que surge com uma marca amarela e vermelha (dos percursos pedestres). O critério é a escolha e a força do freguês :-) Tanto dá ir por um, como pelo outro. Ambos vão dar ao mesmo local, um caminho que é atravessado pela linhas de alta tensão (a coluna fica mesmo na beira da caminho, junto a uma pequena subida).

Logo a seguir, encontra-se uma antena de telecomunicações à margem do caminho, que se divide em dois trilhos paralelos.

 
Um pequeno aparte: isto parece complicado, mas não é assim muito! Mas para simplificar a coisa para quem quiser fazer isto sem conhecer a zona, deixo aqui um vista aérea do Google Earth para ilustrar. Espero que ajude :-)
 

No fim, uma pequena subida e uma grande descida muito técnica (muita pedra, muito porreiro!!!). Bastou seguir depois o trilho principal até chegar à estrada 326-1 em direcção a Alvarenga (ou seja virar à direita).

Mais à frente (pouco mais) encontra-se o cruzamento com indicações para Castelo de Paiva via S. Adrião.

Aí a subida é prós duros! O truque é começar devagarinho :-) até chegar ao cimo e avistar um campo enorme do lado direito que se destaca bem no meio do eucalipto (visão habitual na zona ).

Não há enganar e é só seguir por estrada sempre a descer e sempre a seguir as indicações na estrada que apontem para Castelo de Paiva até chegar a uma placa colocada do lado esquerdo (que curiosamente não se vê bem, porque está virada ao contrário)

 
que informa que estamos a chegar ao alto de S. Adrião.

A subida em terra até à capela é fácil e chegados ao cimo descobre-se uma vista espectacular, que em dias de céu limpo, permite ver facilmente o grande Porto.

Agora chega a melhor parte! Frente à capela existe um caminho de terra que passa mesmo junto a um cruzeiro.

Segui por esse trilho e foi sempre seguir esse caminho a descer. Passa-se junto de umas colunas de alta tensão

e continua-se seguindo sempre o caminho principal.

Apanha-se muita pedra por este caminho, pelo que só é aconselhável a quem tiver já alguma técnica. Ainda por cima existe uma parte da descida em que a inclinação é tanta que é quase necessário colar o estômago em cima do selim para não avançar por cima do guiador da bicicleta.

É nesta parte que se agarra o guiador com toda a força possível! Se cair é só pedra da grossa .
No fim da descida,

a recompensa é um lago artificial muito calmo onde a água está serena e os peixes abundam.

O sítio certo para parar e comer umas barrinhas para o resto do percurso que é novamente só estrada.

É possível circundar o lago pelas suas margens de bicicleta e até mesmo atravessar o riacho que o abastece a montante. Para sair daí é só seguir o estradão principal que se dirige para a estrada 224 onde se encontra placa que informa “Barragem do Seixo”.

Para regressar a Arouca é virar à esquerda (ou seja subir) e percorrer a sempre a mesma estada, passando e ignorando os cruzamentos que indicam sucessivamente S. Domingo, S. Mamede e Tropeço (nesse cruzamento surgem umas alminhas bastante originais). Depois é sempre a descer por estrada até chegar ao cruzamento de Stº António

e virar à esquerda até chegar novamente a Arouca.
Este percurso é fisicamente difícil (eu diria nível 4 ou 5 dependendo da preparação) e tecnicamente a parte de estrada como seria de esperar é muito fácil mas as descidas técnicas, em especial as do S. Adrião são muito difíceis (nível 5). De qualquer forma, para quem quiser experimentar, o empeno e o gozo estão garantidos!
Boas pedaladas
Dar.ao.pedal
15
Jul06

Percurso Arouca - Srª Mó - Gamarão - S. Adrião - Barragem Seixo - Arouca (2006/07/04)

daraopedal

Em breve colocarei cá um novo post com os detalhes do passeio feito no dia 04 de Julho, com partida e chegada em Arouca e passagem pelo Monte da Srª da Mó, Alto do Gamarão, Alto de S. Adrião, descida à Barragem do Seixo em Castelo de Paiva (Que picada!!!! 5*****) e regresso pela EN 224 até Stº António e Arouca!

Um Percurso duro q.b. e com bastante alcatrão (diria 70%) mas os 30% em terra são do melhor! Muitas descidas técnicas com vistas espectaculares! Muito bom para treinar ou simplesmente mudar um pouco as ideias!

Já me esquecia... Foram cerca de 35/40 km (isto pq andei a inventar em algumas zonas saíndo do percurso mais indicado) quanto à altimetria, lamento mas não tenho GPS ou ciclocomputador que me dê essa informação!

Em breve as fotos, mas para já vou coloco as imagens do percurso no Google Earth (o trabalho que tive para desenhar o percurso no mapa!).

Enjoy e Boas pedaladas!

Dar.ao.pedal

Pág. 1/2