Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

29
Jul10

Romaria a S. Macário

daraopedal

 

Aproveitei a sugestão de outros grupos de BTT da zona de Arouca, para, pela 1ª vez, ir ao S. Macário no dia da romaria. Já tinha ido algumas vezes ao local de BTT, mas nunca no dia da festa. Também acho que depois disto, terá sido a 1ª e a última vez! Confusões e feiras ambulantes em festas religiosas não é para mim... Mas isso sou outras contas. Voltando ao percurso de BTT, partimos de Arouca bem cedinho (7h30), ainda o dia tinha pouca luz,  para evitar o calor intenso que estava previsto se fazer sentir. Decidimos ir por Ponte de Telhe em direcção ao alto de Regoufe, para depois subir e descer para o Portal do Inferno e finalmente chegar à serra de S. Macário. O percurso foi todo por alcatrão e proporciona belas vistas sobre os vales do Paivô, sobre as aldeias de Silveiras, Regoufe, Covas do Monte, Gourim, Candal, Cabreiros e Cando, bem como sobre as serras do Montemuro e Arada. Chegados ao local da "festa", a confusão é muita e o profano mistura-se com o sagrado, numa confusão de sons e cheiros, que tiram quase todo o encanto que este local tem. Cruzámo-nos no local por vários grupos de BTT, apenas consegui identificar o BTTArouca, o AroucaBTTTeam e o grupo do Intercaima. Depois de um almoço combinado em família, e com o calor da tarde a aumentar bastante, a vontade de pedalar era pouca. No entanto, havia que continuar e regressar. Optámos por seguir em direcção ao maciço da Serra da Arada, passando pela Coelheira, Candal e Cabreiros, descendo por fim pela Freita. No total acabámos por percorrer 73 km, com um acumulado de 1800m, o que foi um excelente treino para a aventura do verão. Aconselho uma ida ao local, mas evitem o dia da festa pois aquilo é uma confusão enorme.

Boas pedaladas

Daraopedal

27
Jul10

Pateira de Fermentelos

daraopedal

 

Há muito tempo que andava na minha cabeça a ideia de dar a volta à Pateira de Fermentelos de BTT, uma vez que já tinha encontrado muita informação sobre o local e as suas belezas.
Para quem nunca ouviu falar da Pateira, deixo aqui a informação da Wikipédia: A Pateira de Fermentelos ou simplesmente Pateira é uma lagoa natural, localizada no triângulo dos concelhos de Águeda, Aveiro  e Oliveira do Bairro, antes da confluência do Rio Cértima com o Rio Águeda. É a segunda maior lagoa natural da Península Ibérica depois da lagoa de Sanabria em Espanha na província de Zamora. É uma zona muito rica em fauna, flora e espécies aquáticas, incluindo diversas espécies de aves tais como: rabilas, curtos, pica-peixes, e vários tipos de patos. Na flora podemos encontrar desde de nenúfares, canizia e bonhos. A nível piscatório existem achigã, lúcio, carpa, tainha, perca, sendo conhecida pelos seus pimpões existem também grandes quantidades de lagostins-vermelhos e variados tipos de rãs.
Acabei por usar um trilho que encontrei no Wikiloc (Obrigado ao Pyrata por partilhar) para partir à aventura, saindo de junto do apeadeiro de Eirol, na linha do Vouga (N 40º 37.547 W 008º 31.875). A partir daí percorremos as margens da Pateira no sentido contrário aos ponteiros do relógio. Inicialmente seguimos junto à linha, passando junto da capela de Requeixo e depois embrenhámo-nos no meio da vegetação que cobria quase por completo o trilho, perto da Ponte de Requeixo (um belo local sem dúvida). A partir daí, era frequente pedalar mesmo junto à água, passando por vários barcos típicos meios cheios de água, que proporcionam uns bons momentos fotográficos. Quanto à vegetação, destaca-se o jacinto-de-água (uma praga para o ecossistema que teve de ser controlada com uma máquina específica, chamada ceifeira aquática).
O trilho acabou por levar-nos até junto da A1, passando pela zona industrial de Mamodeiro, uma parte do percurso que acabou por revelar-se  algo perigoso devido ao trânsito e sem grande interesse, com algumas zonas onde foi despejado lixo.
Depois voltaríamos aos trilhos, no meio de pinhais até voltar às zonas pantanosas e às margens da pateira, com os seus jacintos-de-água e os seus barcos meios afundados. Fizemos uma paragem no miradouro de Fermentelos, o ponto mais alto de todo o percurso, de onde se tem uma perspectiva ampla sobre toda a zona. Passámos pelo Monumento ao Emigrante, algo que me pareceu um vestígio dos tempos do Estado Novo.
Um pouco adiante, mesmo antes de chegar à ponte do Rio Cértima, um furo acabaria por atrasar-nos um bocado. A partir daí encontrámos o percurso pedestre 1 (PR1), que fomos seguindo durante uns tempos, em direcção ao parque de Espinhel, (Óis da Ribeira)  com a sua lagoa de águas férreas. Esta é a zona mais bonita do percurso, onde chegámos já com o sol a pôr-se. Existem dois coretos no meio da água, que proporcionam um belo cenário. Não faltava gente a aproveitar a agradável tarde de verão...
Continuámos por trilhos entre campos, até encontrar o rio Águeda. Fomos pela sua margem, passando pelo centro de Óis da Ribeira, seguindo quase até encontrar o viaduto do IC2. A partir daí, passámos para a margem oposta e fomos descendo por caminhos rurais até voltar à estrada já bem perto do ponto de partida. Esta foi uma aventura que acabou perto da 22h, devido ao seu mau planeamento. Começámos muito tarde e fizemos muitas paragens, mas mesmo assim acabou por ser muito divertida.
Boas pedaladas
Daraopedal
19
Jul10

Do alto da Cela de Moldes (522m)

daraopedal

Do alto da Cela de Moldes, junto ao marco geodésico (522m) com vistas para Leste concelho de Arouca.

O mesmo ponto com vista para a Serra do Montemuro.

Um bom sítio, com bons trilhos, onde não vinha há algum tempo.

boas pedaladas

Daraopedal

19
Jul10

Um pequeno nocturno até à Srª da Mó!

daraopedal

O que o verão tem de melhor é mesmo aquelas noites em que a temperatura está muito agradável, permitindo um BTT nocturno. Já não fazia um nocturno há uns tempos, por isso aproveitei no outro fim-de-semana para aproveitar a noite subindo ao Monte da Sr.ª da Mó, com descida pelo Gamarão e regresso por estrada.

A minha Specialized trouxe um problema, porque o guiador é demasiado largo para usar a lanterna que já tinha, pelo que tive de adquirir uma outra que não resolveu bem a situação, uma vez que não a consigo apontar para o meio do trilho. Mesmo assim deu para desenrascar e aproveitar a noite pedalando.

Boas pedaladas

Daraopedal

Pág. 1/2