Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

16
Abr09

Via Algarviana - Rescaldo 2ª etapa

daraopedal

A 2ª etapa ligava Vaqueiros a Salir com uma distância prevista de 60 km.

A alvorada foi cedo, acordar por volta das 7 da manhã para arrumar as coisas cedo para as carregar na carrinha da Megasport que nunca falhou ao longo da semana.

O pessoal a preparar-se para pedalar de Ferrarias até Vaqueiros onde estava o pequeno-almoço. Acabámos por ficar um bocado prejudicados por ter ficado na casa de Ferrarias pois era uma distância com a qual não estava a contar, mas tudo correu bem.

A foto da praxe frente à Igreja de Vaqueiros

Esta segunda etapa caracterizou-se por ser sempre aos altos e baixos. Era tida como a 2ª mais difícil, mas também proporcionou belas paisagens como a de cima.

Chegada a Cachopo.

Nas ruelas da vila, junto à Igreja onde se fez mais uma paragens estratégica (leia-se para comer uma bucha!)

Depois de sair da aldeia, apanhámos uma parte inicial a subir, mas essa levou-nos a uma descida brutal, até a uma zona junto a esta casa que mais parecia um castelo. O problema das descidas é que nos levam a lugares de onde só podemos sair com uma subida. E nesta parque do percurso isso foi constante. Passámos por algumas aldeias e perguntávamos por um lugar onde comprar comida e bebida. A resposta era quase sempre a mesma: não havia!

Já estava partido, mas ainda houve forças para a foto! Em Parizes (os franceses podem ter uma "Paris", mas nós temos várias - Parizes - :-D), sempre encontrámos um pequeno café onde já estava malta parada. Também voltámos a ter rede de telemóvel, o que é um facto assinalável, visto que em grande parte do percurso não há nada disso.

Seguimos o nosso percurso alternando entre descida valentes (feitas em poucos minutos) e subidas potentes (feitas em looongos minutos e à mão). O percurso é muito duro até chegar a Barranco do Velho.

Logo depois de ter passado pelo Parque temático da Serra do Caldeirão, uma zona muito bonita com um moinho reconstruído, um eira, casa do forno, casa do alambique e casa da cortiça.

Chegada às proximidades de Barranco do Velho - o Centro Comunitário de Nossa Senhora da Conceição.

Nesta antiga casa da JAE restaurada, a placa com os quilómetros marcava 70 km de Alcoutim e 23 de Cachopo.

Em Barranco do Velho perguntámos a uma senhora onde podíamos encontrar um café onde comer. Perguntou se tínhamos fome e trouxe-nos logo 3 laranjas para cada um. Um espectáculo! Seguimos pela estrada EN2 até ao Restaurante da Tia Bia, onde encontrámos esta parede pintada em "trompe l'oeil"...

... e um bom petisco de vitela para a malta forrar o estômago e animar o moral.

Seguimos pela EN2, passando junto da Ermida de Barranco do Velho.

Pouco depois da ermida, voltámos aos trilhos. Esta zona é muito boa para pedalar e proporciona paisagens deslumbrantes.

Um moinho no alto da serra. Um pouco depois apanhámos uma descida fantástica (a melhor de todo o percurso) com um pouco mais de 2 km. Havia malta a pensar ir para Salir por estrada, mas que acabaram por vir pelo trilhos. Digo-vos que não ficaram nada arrependidos!

A chegada a Salir fez-se por vários single-tracks entre matos e campos. Muito bom! Chegámos tranquilamente à aldeia onde ficamos alojados na Escola Básica.

Um alojamento de luxo com os colchões das aulas de Educação Física. Aqui água quente para os banhos!

Os número:

63,99 km percorridos

Velocidade média 10,10 km/h

2255 m de subidas acumuladas

6h20m a pedalar

Clica na imagem para a 3ª etapa.

2 comentários

Comentar post