Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

27
Jul10

Pateira de Fermentelos

daraopedal

 

Há muito tempo que andava na minha cabeça a ideia de dar a volta à Pateira de Fermentelos de BTT, uma vez que já tinha encontrado muita informação sobre o local e as suas belezas.
Para quem nunca ouviu falar da Pateira, deixo aqui a informação da Wikipédia: A Pateira de Fermentelos ou simplesmente Pateira é uma lagoa natural, localizada no triângulo dos concelhos de Águeda, Aveiro  e Oliveira do Bairro, antes da confluência do Rio Cértima com o Rio Águeda. É a segunda maior lagoa natural da Península Ibérica depois da lagoa de Sanabria em Espanha na província de Zamora. É uma zona muito rica em fauna, flora e espécies aquáticas, incluindo diversas espécies de aves tais como: rabilas, curtos, pica-peixes, e vários tipos de patos. Na flora podemos encontrar desde de nenúfares, canizia e bonhos. A nível piscatório existem achigã, lúcio, carpa, tainha, perca, sendo conhecida pelos seus pimpões existem também grandes quantidades de lagostins-vermelhos e variados tipos de rãs.
Acabei por usar um trilho que encontrei no Wikiloc (Obrigado ao Pyrata por partilhar) para partir à aventura, saindo de junto do apeadeiro de Eirol, na linha do Vouga (N 40º 37.547 W 008º 31.875). A partir daí percorremos as margens da Pateira no sentido contrário aos ponteiros do relógio. Inicialmente seguimos junto à linha, passando junto da capela de Requeixo e depois embrenhámo-nos no meio da vegetação que cobria quase por completo o trilho, perto da Ponte de Requeixo (um belo local sem dúvida). A partir daí, era frequente pedalar mesmo junto à água, passando por vários barcos típicos meios cheios de água, que proporcionam uns bons momentos fotográficos. Quanto à vegetação, destaca-se o jacinto-de-água (uma praga para o ecossistema que teve de ser controlada com uma máquina específica, chamada ceifeira aquática).
O trilho acabou por levar-nos até junto da A1, passando pela zona industrial de Mamodeiro, uma parte do percurso que acabou por revelar-se  algo perigoso devido ao trânsito e sem grande interesse, com algumas zonas onde foi despejado lixo.
Depois voltaríamos aos trilhos, no meio de pinhais até voltar às zonas pantanosas e às margens da pateira, com os seus jacintos-de-água e os seus barcos meios afundados. Fizemos uma paragem no miradouro de Fermentelos, o ponto mais alto de todo o percurso, de onde se tem uma perspectiva ampla sobre toda a zona. Passámos pelo Monumento ao Emigrante, algo que me pareceu um vestígio dos tempos do Estado Novo.
Um pouco adiante, mesmo antes de chegar à ponte do Rio Cértima, um furo acabaria por atrasar-nos um bocado. A partir daí encontrámos o percurso pedestre 1 (PR1), que fomos seguindo durante uns tempos, em direcção ao parque de Espinhel, (Óis da Ribeira)  com a sua lagoa de águas férreas. Esta é a zona mais bonita do percurso, onde chegámos já com o sol a pôr-se. Existem dois coretos no meio da água, que proporcionam um belo cenário. Não faltava gente a aproveitar a agradável tarde de verão...
Continuámos por trilhos entre campos, até encontrar o rio Águeda. Fomos pela sua margem, passando pelo centro de Óis da Ribeira, seguindo quase até encontrar o viaduto do IC2. A partir daí, passámos para a margem oposta e fomos descendo por caminhos rurais até voltar à estrada já bem perto do ponto de partida. Esta foi uma aventura que acabou perto da 22h, devido ao seu mau planeamento. Começámos muito tarde e fizemos muitas paragens, mas mesmo assim acabou por ser muito divertida.
Boas pedaladas
Daraopedal

1 comentário

Comentar post