Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

15
Nov15

Lisboa - Fátima - Tomar [Caminho do Tejo] - Dia 1

daraopedal

Já foi em 2008 que fiz o caminho de Fátima, partindo de Oliveira de Azeméis até ao Santuário, e pouco depois comecei a ouvir falar do caminho do Tejo. Trata-se de um percurso que é comum ao Caminho de Santiago e que se encontra marcado desde Lisboa. O início é na capela na rua de Santiago, junto ao Castelo de S. Jorge, passa pela Sé de Lisboa, antes de descer até junto do Tejo, que vai acompanhando, daí também ser conhecido como o Caminho do Tejo. O caminho de Santiago não segue por Fátima, no entanto foi criada uma variante que segue para Fátima. A associação que coordenou estes trabalhos é a Associação dos Amigos do Caminho de Fátima, que tratou da marcação no terreno e criou um site muito completo que recomendo para quem quiser fazer este caminho. Já andava com vontade de conhecer esse percurso há vários anos e finalmente surgiu a oportunidade. Foi uma aventura em BTT diferente, já que foi feita em solitário. Era algo que vinha a pensar fazer um dia, mas uma ou outra razão (sensação de falta de segurança, hesitação, etc.) tinham-me levado a nunca ter feito uma aventura em BTT desta forma.

Para além disso, as notícias que surgiram no início do ano, indicando que a CP permitia agora levar a bicicleta em viagens de longo curso nos comboios intercidades, também vieram facilitar as logísticas.

A minha ideia era ligar Lisboa, Fátima e Tomar em 3 dias, sem correrias e sem exageros, pois por vários fatores, o tempo para treinar é quase nulo e minha preparação era mínima.

Dividi o trajeto em 3 etapas:

1ª Lisboa - Santarém (90 km) - etapa praticamente toda plana e bastante rolante

2ª Santarém - Fátima (60 km)- etapa mais difícil com a passagem pela Serra de Minde a ser bastante complicada, especialmente com calor.

3ª Fátima - Tomar (30 km) - etapa caraterizada pelos declives em altos e baixo sucessivos e pela dura passagem pelo trilho pedestre da serra.

 

Ficam as fotos com algumas informações sobre o percurso:

Fatima_Tomar_001.JPG

A "Precious" em mais uma aventura. Aqui devidamente acomodada nos espaços previsto para esse efeito no intercidades.

Fatima_Tomar_002.JPG

Chegada à estação do Oriente em Lisboa. A partida foi feita a partir daqui e não a partir do Castelo de S. Jorge, já que pelo tempo disponível para chegar a Santarém, a ida ao até esse local implicava andar para trás, pelas ruas movimentadas e perder tempo.

Fatima_Tomar_003.JPG

Segui pelo Parque das Nações.

Fatima_Tomar_004.JPG

Sob a pala do Pavilhão de Portugal.

Fatima_Tomar_005.JPG

Junto ao Pavilhão de Portugal e à marina, encontra-se o primeiro marco do Caminho de Fátima. O local é simbólico e marca o ponto de partida "oficial".

Fatima_Tomar_006.JPG

As marcações do caminho de Santiago são feitas pelas setas amarelas e/ou pelo símbolo da concha/vieira amarela, enquanto o caminho de Fátima está marcado com setas azuis ou um azulejo em linhas azuis, com um símbolo representando um caminho até a uma azinheira.

Fatima_Tomar_007.JPG

Pelo caminho vamos encontrando as marcações quase sempre lado a lado.

Fatima_Tomar_008.JPG

Passagem pela torre Vasco da Gama - um vestígio da Expo98 - com o novo hotel ali construído.

Fatima_Tomar_009.JPG

Direção à Ponte Vasco da Gama, seguindo-se por passadiços sobre as águas do Tejo.

Fatima_Tomar_010.JPG

Um registo fotográfico fantástico.

Fatima_Tomar_011.JPG

Caminho partilhado com caminheiros junto ao Parque do Tejo.

Fatima_Tomar_012.JPG

Um marco com a seta de Santiago e o azulejo de Fátima (danificado) junto à foz do rio Trancão.

Fatima_Tomar_013.JPG

O percurso segue ao longo do Trancão e passa sob a autoestrada.

Fatima_Tomar_014.JPG

O sifão do canal do Alviela ou arco do Canal de Alviela.

Fatima_Tomar_015.JPG

Mudança de margem do rio Trancão, passando junto a um stand automóvel.

Fatima_Tomar_016.JPG

Esta parte do trilho é muito engraçada, pois segue por um single track pelo vale do Trancão e parecemos estar longe do reboliço da capital.

Fatima_Tomar_017.JPG

Uma passagem improvisada sobre um dos canais de rega encontrados pelo caminho. Ainda deu para encontrar cavalos à solta pelo caminho e furar a bicicleta (ainda a procissão ir no adro) e ter de tratar do furo ao sol.

Fatima_Tomar_018.JPG

Aspeto do percurso

Fatima_Tomar_019.JPG

Canavial

Fatima_Tomar_020.JPG

Sinalização do município de Vila Franca de Xira para os caminhos.

Fatima_Tomar_021.JPG

Mais uma passagem improvisada perto de Vialonga.

Fatima_Tomar_022.JPG

Passagem sobre a linha do Norte em Póvoa de Santa Iria.

Fatima_Tomar_023.JPG

Apanhei aqui uma zona que parece ter sido arranjada com trilhos marcados por onde segue o caminho. Foi juntar o útil ao agradável.

Fatima_Tomar_024.JPG

Praia dos pescadores junto ao rio Tejo.

Fatima_Tomar_025.JPG

Depois de ter abandonado o Tejo quando tive de seguir pelo Trancão, eis que ele volta a aparecer.

Fatima_Tomar_026.JPG

O caminho é mesmo por aqui e a seta não deixam dúvidas.

Fatima_Tomar_027.JPG

Esta parte do percurso é mesmo muito agradável.

Fatima_Tomar_028.JPG

Os passadiços dão lugar a uma pista em terra batida, ideal para pedalar.

Fatima_Tomar_029.JPG

Este é o caminho.

Fatima_Tomar_030.JPG

Assim cheguei a Alverca, junto à sua estação de comboio...

Fatima_Tomar_031.JPG

... à beira da qual fica o museu do ar.

Fatima_Tomar_032.JPG

O caminho obriga-nos a atravessar o edifício para transpor a linha, mesmo estando bicicleta com alforge, não houve problemas em atravessar o edifício graças aos elevadores. Aproveitei para almoçar por Alverca, onde perdi bastante tempo devido ao mau atendimento do local onde fiquei. Mas adiante, depois de sair da cidade, encontramos trilhos por campos, mas depressa encontramos zonas industriais e fábricas, o que tira qualquer beleza ao percurso.

Fatima_Tomar_033.JPG

Passagem pela EN 10 junto à cimenteira de Alhandra.

Fatima_Tomar_034.JPG

Depois de chegar ao centro de Alhandra voltei a encontrar o Tejo.

Fatima_Tomar_035.JPG

Existe uma longa ciclovia junto ao rio por onde segue o caminho, uma forma segura e agradável de continuar o caminho.

Fatima_Tomar_036.JPG

Caminho pedonal ribeirinho.

Fatima_Tomar_037.JPG

Existem painéis de graffitis bem engraçado ao longo da ciclovia.

Fatima_Tomar_038.JPG

Outro original junto à Praça de touros.

Fatima_Tomar_039.JPG

O Tejo majestoso.

Fatima_Tomar_040.JPG

A ciclovia, o Tejo e a Ponte Marechal Carmona.

Fatima_Tomar_041.JPG

O cais local com a ponte em fundo.

Fatima_Tomar_042.JPG

Estátua junto...

Fatima_Tomar_043.JPG

... à entrada do Jardim Constantino Palha.

Fatima_Tomar_044.JPG

O jardim é muito agradável e convidava a ficar, mas o caminho chamava por mim.

Fatima_Tomar_045.JPG

Depois de abandonar o centro de Vila Franca de Xira, entrei numa zona de campos secos e restolho...

Fatima_Tomar_046.JPG

e retas a perder de vista por zona industriais em construção. O calor intenso e o ar meio abandonado da zona de Castanheira do Ribatejo tornaram-na algo penosa a percorrer.

Fatima_Tomar_047.JPG

Vista para a central térmica do Carregado. Seguiram-se campos e estradas secundárias até Vila Nova da Rainha.

Fatima_Tomar_048.JPG

Aí, somos forçados a seguir pelas bermas da EN3, uma estrada perigosa com muito movimento, em especial de camiões. Uma zona perigosa até à Azambuja.

Fatima_Tomar_049.JPG

Nova passagem sobre a linha de comboio na estação da Azambuja.

Fatima_Tomar_050.JPG

Encontrei então a Vala da Azambuja. A partir daqui segue-se por vastas zonas agrícolas, com propriedades enormes. O calor e a falta de água começaram a fazer-me penar.

Fatima_Tomar_051.JPG

Foi com agrado que cheguei a Valada, onde parei no primeiro café que vi para repor forças.

Fatima_Tomar_052.JPG

A curiosidade desta zona é o facto de viverem paredes meias com o dique que protege das cheias do Tejo. Acima, a vista de um lado do dique...

Fatima_Tomar_053.JPG

... e a vista do outro lado.

Fatima_Tomar_054.JPG

A pedalar em cima do dique.

Fatima_Tomar_055.JPG

Ponte rainha D. Amélia.

Fatima_Tomar_056.JPG

Mais lezíria e mais dique.

Fatima_Tomar_057.JPG

Já perto de Santarém, um marco com as indicações dos níveis das cheias do Tejo. A entrada em Santarém a partir do aeródromo local fez-se por uma subida que foi um bocado penosa fruto do desgaste dos quilómetros e da falta de resistência.

Fatima_Tomar_058.JPG

Seminário de Santarém.

Fatima_Tomar_059.JPG

Mercado de Santarém.

Fatima_Tomar_060.JPG

Jardim central de Santarém

Fatima_Tomar_061.JPG

Dados do dia.

Foi tempo de um descanso merecido num hostel - o santaremhostel - um local muito agradável.

caminho_fatima.jpg

Clica na imagem para a 2ª etapa

15
Out15

Guia das Ciclovias, Ecopistas e Ecovias - Turismo do Norte

daraopedal

O turismo do norte publicou um guia das Ciclovias, Ecopistas e Ecovias. Um guia útil para quem gosta de conhecer um pouco mais o Norte de Portugal a pedal. Algumas ciclovias referenciadas são muito pequenas, mas é louvável reunir um documento com esta informação toda.

Ecovias_Norte.jpg

Clicar na imagem para aceder ao site onde podem descarregar o documento em pdf.

 

Boas pedaladas

daraopedal

04
Jan15

Linha da Trofa em BTT

daraopedal

Já andava a bastante tempo com vontade de me aventurar à descoberta da antiga linha de comboio que vai até à Trofa. Esta linha foi em parte aproveitada pelo Metro do Porto até Castêlo da Maia, no entanto, daí para a frente encontra-se completamente abandonada e achei que poderia conseguir transitar entre essas duas localidades sem grandes problemas. Como estava enganado... Encontrei um relato de um betetista que indicava que era complicado circular em determinadas partes, no entanto não parecia ser nada de outro mundo. Infelizmente o tempo passou e a vegetação foi tomando conta do terreno. A chuva que antecedeu a altura em que fiz o percurso também tratou de transformar algumas zonas em verdadeiras piscinas, a tal ponto que parecia que estava a pedalar num rio. As poucas estações que existem pelo percurso estão num estado lastimável, quase todas emparedadas de modo a não permitir a entrada. A antiga estação da Trofa e a zona envolvente refletem também o desinteresse existente em relação a este troço. Uma pena...

GOPR1020WTMK.JPG

O fim da linha do Metro do Porto em Castêlo da Maia.

G0011028WTMK.JPG

A parte inicial não permite circular pela linha. Tive de improvisar por um trilho que passa no meio dos campos e pelo casario da zona até encontrar a linha.

GOPR1032WTMK.JPG

Voltei a encontrá-la neste estado...

GOPR1033WTMK.JPG

... ninguém diria que a linha passa por aqui.

GOPR1037WTMK.JPG

Estação da localidade de Muro.

GOPR1038WTMK.JPG

Uma passagem de nível.

GOPR1039WTMK.JPG

Um dos pouco locais onde se encontram as pedras habitualmente usadas nas linhas ferroviárias.

G0031041WTMK.JPG

Já na linha, fazendo um verdadeiro corta-mato.

G0061053WTMK.JPG

No meio de um rio.

 G0091066WTMK.JPG

 Devia ter trazido uma máquina de cortar a relva.

GOPR1049WTMK.JPG

Sim, tive mesmo de passar por aqui, no meio desta verdadeira piscina.

GOPR1051WTMK.JPG

Foi pedalar com os pés dentro de água.

G0081059WTMK.JPG

Antes de chegar à Trofa, uma das poucas zonas onde é fácil circular.

GOPR1068WTMK.JPG

Na entrada da Trofa, depois de passar uma enorme fábrica abandonada, a linha desaparece com umas obras de requalificação do centro urbano. A linha volta a aparecer um pouco à frente, basta seguir a mesma direção e as indicações para a antiga estação de comboio.

GOPR1076WTMK.JPG

 Depois de passar pela estação, tentei ir até onde era possível...

GOPR1078WTMK.JPG

... mas este era mesmo o fim da linha.

GOPR1080WTMK.JPG

A nova linha de comboio que foi construída para desviar os comboios da linha de Guimarães do centro da cidade.

G0131122WTMK.JPG

Aproveitei para ir até às margens do Rio Ave.

G0131129WTMK.JPG

... e encontrar a antiga ponte de comboio, que fica lado a lado com a nova.

G0131130WTMK.JPG

GOPR1131WTMK.JPG

Para evitar as dificuldades do terreno, optei por voltar pela EN 14.

Boas pedaladas

daraopedal