Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

17
Jan13

GeoPasseio em Guimarães

daraopedal

Os passeios organizados têm sido pouco. Tenho pedalado mais ou menos regularmente mas sem grande voltinhas de registo, no entanto para controlar os excessos cometidos nas festas de final de ano, rumei à cidade-berço para uma voltinha de descoberta de alguns belos recantos da cidade. Um passeio com 17km em que fiquei a conhecer o lado mais pitoresco de Guimarães.

Voltinha de aquecimento no parque da cidade.

Abandonando o parque em direção à cidade.

Pedalando pelas ruelas do centro histórico.

O singelo casario intemporal da praça da oliveira.

Uma das mais belas praça do país.

Ainda se encontram os sinais da Capital Europeia da Cultura 2012.

Mais ruelas estreitas.

People love bike!

Junto ao Toural, a pitoresca inscrição na parede.

 

Bem mais bonito que as letras de Hollywood.

Reunião das tropas depois de uma paragem.

I love my Preciousss! <3

Na zona dos couros, junto aos tanque para pintar os curtumes.

Seguindo pela Travessa da Rua dos Couros, pedalando junto ao rio.

Na ponte junto à zona do mercado.

A ponte de outra perspetiva.

Passagem pela zona da horta pedagógica e comunitária. Dá gosto ver tantas hortas lado a lado.

Travessia do pequeno curso de água que ali passa.

Passagem no túnel debaixo da via rápida.

Junto ao Estádio D. Afonso Henriques, do Vitória de Guimarães.

Já depois de ter passado no pólo da Universidade do Minho, a subida até ao Paço dos Duques de Bragança.

E o final junto ao mítico Castelo da Cidade, onde não vinha há uns anos.

Boas pedaladas

daraopedal

27
Jun06

Passeio Porto Antigo 2006/06/25

daraopedal
Era um dos passeios que faltava no currículo! O Porto Antigo! Já andava há uns tempos a pensar nele. O ano passado não deu para ir. E o que tinha visto na Bike Magazine tinha-me aguçado o apetite. Então com um amigo decidi passear pelas ruas do Porto. O verbo “passear” é bem escolhido porque o ritmo foi mesmo de passeio. Um passeio aberto a todos: entendidos, iniciados, pais de família e seus filhos, meninas giras (que infelizmente aparecem poucas vezes no BTT) etc.
A partida estava marcada para as 9h15 na praia do Molhe

mas, à boa maneira portuguesa, as hostilidades iniciaram quase meia hora depois. Foi pena…
Foi espectacular ver centenas de Betetistas (não sei quantos ao certo mas diria perto de 300) a descer a Avenida do Brasil

em direcção ao Passeio Alegre. Depois dirigimo-nos por um caminho entre terrenos baldios para a zona da praça do Império e subimos pela Av. Marechal da Costa até chegar à Avenida da Boavista, não sem antes passar frente ao Museu de Serralves. A subida da Avenida da Boavista foi agradável com um mar de biclas a subir a avenida e as pessoas a olharem espantadas para tantos doidos que, ao domingo de manhã, saíram das suas camas para andarem a cansar-se a percorrer as ruas do Porto de bicicleta;-) Mas lá diz o provérbio: “Quem corre por gosto…” e é bem verdade.
O percurso continuou: passagem diante da Casa da Música,

onde se encontravam ainda as bancadas instaladas para festejar o S. João, passagem pela Rotunda da Boavista e subida pela Rua de mesmo nome e rua Alvares Cabral em direcção à Praça da República. A partir daí, descida pela Rua da Almada em direcção à Praça de Ceuta (onde, quanto a mim, deveríamos ter feito o desvio pela Avenida dos Aliados para ver a nova cara dessa emblemática praça do Porto). Depois passámos frente à Igreja do Carmo

 e Hospital Santo António, direcção Jardim de Campo dos Mártires (com uma vista fantásticas sobre o rio Douro e a Ponte da Arrábida), e descida até à Baixa à zona do Palácio da Bolsa e do Mercado Ferreira Borges. A seguir a passagem pelo Túnel da Ribeira foi demais, com o pessoal a aproveitar a acústica do túnel para gritar e assobiar! O bom humor e a boa disposição reinavam :-) À saída do túnel, a vista sobre a ponte D. Luís

 é algo sempre memorável e com o bom ambiente que se vivia, ainda melhor! A passagem pelo cais da Ribeira

com a vista sobre o Cais de Gaia e os Barcos Rabelos que sulcavam o “Rio de Ouro”, passagem ainda pela muito típica rua da Reboleira

em direcção à Alfândega, passagem por Massarelos

e depois foi sempre a pedalar pela marginal

até ao castelo da Foz, e depois subir a avenida do Brasil até à rotunda do Castelo do Queijo, passar frente ao Edifício transparente

(pra que é que aquilo serve mesmo?) e rotunda de Matosinhos (com a sua rede de pesca muito particular)

e voltar a descer a mesma avenida até chegar ao ponto de partida. Total 24 km! Não foi muito, não foi quase nada tendo em conta os desníveis muito baixos, mas foi divertido dar um passeio pela cidade para mudar dos habituais passeios pelas serras e montes.
O reforço final foi básico mas pelo preço também não se podia pedir muito (ainda por cima ganhei uma t-shirt à maneira). No geral foi bom e divertido: valeu!
(Nota: as indicações são meramente para servir de referência e não são muito exactas pois não estive a apontar tudo e não conheço assim tão bem o Porto )