Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

daraopedal.pt

daraopedal.pt

Caminho Francês de Santiago cumprido!!!

28.08.10 | daraopedal

Este era um desejo, um sonho que acalentava há mais ou menos 4 anos. Finalmente chegou a altura de o concretizar.

Foram 13 dias, e 841 km no total desde a pequena localidade francesa de St. Jean Pied-de-Port, no sopé dos Pirinéus, transpondo-os até Navarra, atravessando Castilha e León e finalmente a Galiza para alcançar o altar do Santo apóstolo.

Não foi fácil, houve momentos duros, mas a aventura, a beleza e encanto das descobertas permitiram superar tudo.

 

As etapas foram as seguintes:

0 - Viagem Pampilhosa - Hendaye - Bayonne - S. Jean Pied-de-Port (de comboio)

1 - St. Jean Pied-de-Port - Orisson - 9 km (começámos a subir os Pirinéus por volta das 15h por termos perdido uma ligação de comboio)

2 - Orisson - Trinidade de Arre - 59 km

3 - Trinidade de Arre - Estella - 54 km

4 - Estella - Ventosa - 74 km

5 - Ventosa - Villafranca Montes de Oca - 72 km

6 - Villafranca Montes de Oca - Hontanas - 75 km

7 - Hontanas - Terradillos de los templários - 83 km

8 - Terradillos de los templários - S. Martin del Camino - 101 km

9 - S. Martin del Camino - Molinaseca - 76 km

10 - Molinaseca - Alto do Poio - 74 km

11 - Alto do Poio - Portomarin - 64 km

12 - Portomarin - Santa Irene - 71 km

13 - Santa Irene - Santiago de Compostela - 24 km

Procurámos ir sempre pelo caminho (diria que fizemos 98% do trajecto pelo caminho) evitando quase sempre a estrada.

Foi uma viagem única que nos permitem ultrapassar aquilo que antes pensaria que estaria fora do meu alcance.

 

Boas pedaladas

Daraopedal

Daraopedal... a caminho de Santiago

12.08.10 | daraopedal

Pois é!

A esta hora, se tudo tiver corrido bem, devo encontrar-me a muitos quilómetros de casa, quase pronto a iniciar o Caminho Francês para Santiago de Compostela, na pequena localidade de S. Jean Pied-de-Port.

A 1ª etapa é nada mais, nada menos, do que a subida e travessia dos Pirinéus e entrada em Espanha. A partir daqui serão vários dias a atravessar o imenso território espanhol até alcançar Santiago.

Este ano é ano de Xacobeu, ou seja, ano santo, o que acontece sempre que o dia 25 de Julho (dia do apostolo) calha a um domingo. Tal evento só voltará a acontecer daqui a 11 anos. Um dos efeitos deste ano Xacobeu é que o número de peregrinos acaba por triplicar. Vou realizar este percurso não por ser Xacobeu, mas sim porque as circunstâncias criaram esta oportunidade, no entanto estou consciente que o grande número de pessoas que percorrem este trilho milenar será uma dificuldade na hora de arranjar poiso para pernoitar.

Espero que Santiago (S. Tiago) nos acompanhe e nos guie ao longo do caminho, dando-nos a sua protecção.

Para relatar e recordar esta aventura criei um novo blog http://daraopedalpelocaminhodesantiago.blogspot.com/

Infelizmente para os leitores deste blog, o mesmo será exclusivamente privado, mas mais tarde prometo colocar um relato à altura neste blog.

 

A todos, boas pedaladas e ULTRÉIA!!!!

(saudação medieval dos peregrinos que significa: " Para a frente" ou " mais além".)

Contradições... ou condições opostas?!

08.08.10 | daraopedal

Subida à Senhora da Mó

Na noite de 6ª com 22/23º. Temperatura ideal, noite super agradável. Nunca me custou tão pouco a subida ao topo. Cerca de 17 km.

 

Arouca - Praia do Vau - Arouca

No Sabado à tarde, temperatura à hora da partida 37º, temperatura à hora da chegada 31º. Cerca de 30 km com uma maravilhosa parede a subir do Vau até à estrada de Alvarenga. Será masoquismo? Valeu o banho a meio do percurso!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Boas pedaladas

Daraopedal

Matosinhos ==>> Póvoa do Varzim... ou pelo menos era o que estava previsto

08.08.10 | daraopedal

A ideia era simples: ligar Matosinhos à Póvoa do Varzim, sempre com o mar à vista. Simples... à primeira vista.

Quando partimos pela ciclovia junto ao Porto de Leixões, estranhámos a temperatura que se fazia sentir. Com efeito, estava muito mais fresco do que onde tínhamos partido: dos 33º passámos para os 25º. Mesmo assim, lá fomos, pensando que até era melhor assim.

Chegados ao forte de N. Senhora das Neves é que começámos a ver do que se tratava...

... a nortada!!!!

No início de Agosto e a praia... vazia! Uma ventania e um frio!!! A areia levantada pelo vento até aleijava.

As filas eram... para apanhar o autocarro em vez de ser para comprar gelados.

Para chegar ao Farol de Leça foi preciso pedalar como se de uma subida se tratasse, com a velocidade a ultrapassar raramente os... 12 km/h!!!

Quase que era preciso pedalar em pé! E claro, as mudanças nos pratos mais fáceis...

Quando alcançámos a zona do Bar azul, perto da casa de Chá de Siza Vieira, vi pela 1ª vez as novas marcações do caminho português de Santiago do Litoral. Deve ser uma opção interessante, mas ao pensar fazer este percurso todo com nortada só me vem uma palavra à cabeça: masoquismo!

Até as gaivotas aguardavam melhores dias.

Mesmo assim ainda conseguimos aguentar e alcançar a Praia do Obelisco da Memória,

a praia dos pescadores de Angeiras,

E a ponte pedonal e para ciclistas sobre o rio Onda.

As réplicas dos tanques romanos de salga.

Ainda fomos uma pouco mais adiante, mas desistimos da nossa intenção porque o passeio estava a ser muito desagradável por causa do vento que impedia a respiração, fazia uma zumbido nos ouvidos muito desconfortável e que nos obrigava a um esforço redobrado.

Meia-volta e voltámos para o carro. Refira-se que o esforço no regresso foi muito, muito reduzido. Havia zonas onde nem sequer era preciso pedalar.

Boas pedaladas

Daraopedal

De Arouca a Meitriz em BTT para um banho no Paiva

03.08.10 | daraopedal

Depois de, na véspera, ter realizado  uma subida à Sr.ª da Mó e descida pelo trilho de Ponte de Telhe com regresso a Arouca (24km), aproveitei um dia de calor para treinar com alforges, indo de Arouca até à aldeia de Meitriz, para me refrescar no rio Paiva. O percurso fez-se todo por estrada, tendo sido o calor a maior dificuldade.

A vista para a aldeia de Ponte de Telhe, do alto da estrada para Janarde.

É curiosa a curva de 180º que o rio Paivô forma neste local ideal para banhos.

Uma quinta abandonada virada para o monte da Srª da Mó e o vale do Paivô.

A aldeia da Paradinha, junto ao Paiva.

A mesma aldeia com vistas das serras.

Passagem pelo centro da aldeia de Janarde.

A capela de Janarde.

Meitriz é por aqui!

Chegada a Meitriz, mais precisamente a Além do Barco.

As casas existentes no local são um bom poiso para desfrutar da tranquilidade e encantos deste local.

A praia fluvial no rio Paiva.

O regresso custou mais do que a ida, pois as paragens são muito más. Se a isso juntarmos o facto de ter relaxado um pouco na água, podem imaginar como foi o regresso.

No total foram cerca de 42 km com um acumulado de 1000m.

Boas pedaladas

Daraopedal